Facebook

2 Fatos mal interpretados sobre Plano de Ação

Um bom planejamento passa pela organização das atividades, seja na área profissional ou pessoal. A definição dos recursos sejam eles, financeiros, pessoais ou físicos, vão contribuir para atingir metas almejadas.

Digamos que este é o modo como se traça ‘o caminho para o sucesso do plano de ação’.

Contudo, este sucesso só é alcançado quando os envolvidos compreendem bem os objetivos e metas do projeto e se comprometem em cumpri-los.

Vamos então para o primeiro conceito mal interpretado em relação ao Plano de ação:

1 - A diferença entre Objetivo e Meta?

1.1 - A palavra Objetivo significa “Alvo, fim, propósito” é aquilo que se pretende alcançar.  Logo, ao criar um plano, a descrição macro (objetivo), deve estar bem estruturada, pois auxilia na compreensão de todos os participantes. Enxergar com clareza aonde se deseja chegar gera nos participantes um olhar analítico que o torna capaz de saber como contribuir para o melhor desenvolvimento do plano.

Imagine que João entra em seu carro juntamente com seu amigo, Carlos. Ele dirige desejando ir ao supermercado, mas conhece pouco sobre a cidade na qual acabara de chegar, já o seu amigo já conhecia o lugar e sabia o caminho mais rápido até o destino de João. Sem esclarecer os objetivos para Carlos, João tomou o caminho mais demorado em direção ao supermercado, e, além disso, entrou em um congestionamento. Resultado, por não esclarecer o objetivo para Carlos que conhecia o caminho, ambos perderam muito tempo.

1.2 - Meta significa “Limite” é a forma de quantificar o objetivo e determinar prazo.
Ao definir as metas, todas as ações previstas servirão para alcançar o objetivo. O entendimento fica mais claro quando fragmentamos o objetivo em muitas partes como por exemplo:

Objetivo – Alcançar 1000 clientes até dezembro de 2017. Logo a execução de cada atividade deve responder estas questões O que, Quem e Quando fazer ou se necessário quando o projeto exigir um controle maior, pode ser aplicando na integra o método 5w2h(O que, Quem, Quando, Onde, Porquê, Como e Quanto custa).

Então objetivo é aonde você quer chegar e meta são as métricas e meios para o objetivo acontecer.

2 - Verificação da eficácia, deve ser o responsável pela área ou não?

Em relação ao gerenciamento de plano de ação, é uma boa prática que o verificador da eficácia (avaliação) não seja alguém da área, mas sim alguém que não esteja envolvido. Ao inserir esta pessoa, é necessário ter informações suficientes para definir e evidenciar a eficácia do plano.

Você deve avaliar cada situação, não se trata de uma regra, você pode encontrar planos com necessidades de avaliação por pessoas de dentro ou de fora do planejamento.

Na construção de um bom plano é importante estar bem definido os itens citados acima (Objetivo e Metas). Quanto mais claros eles estiverem, melhor será para você constatar se o plano atingiu seu objetivo e alcançou suas metas propostas.

Embora toda organização tenha uma maneira de trabalhar diferente quanto a verificação da eficácia, sendo a pessoa da área de atuação do plano ou não, é uma boa prática o responsável estar munido de informações que vão garantir a eficácia do plano traçado.


Essas foram duas dicas pontuais a respeito de um plano de ação mais consistente. Se você quiser acessar mais conteúdo sobre este assunto, clique aqui.

Quais elementos você considera essenciais na hora de estabelecer um plano de ação? Deixe seu comentário.

05 de Fevereiro de 2017

Tags:

plano de ação